30/05/2024 +55 (83) 98773-3673

PolĂ­tica

Andre@zza.net

Julgamento que pode cassar Moro é suspenso pelo TSE

Por Blog do Elias Hacker 16/05/2024 às 13:56:08

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) interrompeu o julgamento que pode resultar na cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR) nesta quinta-feira (16) devido ao horĂĄrio. A anĂĄlise serĂĄ retomada na próxima terça-feira (21) às 19h, sendo o único item da pauta. Até o momento, nenhum ministro proferiu voto no caso.

Sergio Moro enfrenta acusações de abuso de poder econômico nas eleições de 2022. No entanto, o Tribunal Regional Eleitoral do ParanĂĄ (TRE-PR) o absolveu.

Na sessão do TSE, o relator, ministro Floriano de Azevedo Marques, apresentou um resumo do processo. As manifestações dos advogados de acusação e defesa ficaram para a próxima terça-feira (21).

O Ministério Público Eleitoral também se manifestarĂĄ, defendendo a rejeição dos recursos e a absolvição de Moro. Após as considerações, o relator votarĂĄ, seguido pelos ministros André Ramos Tavares, Isabel Gallotti, Raul Araújo, Nunes Marques, CĂĄrmen Lúcia e Alexandre de Moraes.

Em caso de condenação, além de perder o mandato, Moro ficarĂĄ inelegível por oito anos (até 2030). Se isso ocorrer, uma nova eleição no ParanĂĄ serĂĄ convocada para escolher o substituto de Moro no Senado.

O TSE estĂĄ analisando os dois recursos contra a absolvição de Moro pelo TRE-PR. Essas ações foram movidas pelo Partido Liberal (PL), de Jair Bolsonaro, e pela federação que elegeu o presidente Luiz InĂĄcio Lula da Silva (PT). Os partidos alegam desequilíbrio na disputa ao Senado do ParanĂĄ devido a gastos supostamente excessivos durante a pré-campanha de 2022.

Em 2021 e início de 2022, Moro esteve em pré-campanha à PresidĂȘncia da República, mas depois desistiu e tentou concorrer ao Senado por São Paulo. Somente após ser barrado pela Justiça Eleitoral, ele passou a disputar em seu estado de origem.

Vale destacar que o TRE-PR absolveu Moro em abril por 5 votos a 2. O relator Luciano Carrasco Falavinha considerou que a tese de abuso de poder econômico durante a pré-campanha não foi comprovada. Segundo Falavinha, os gastos de Moro correspondem a 5,5% do total empregado em sua campanha, e a acusação de abuso econômico não se sustenta. O valor diverge das estimativas feitas pelas partes, variando de R$ 7 milhões a R$ 21 milhões, enquanto o Ministério Público Eleitoral no ParanĂĄ calculou R$ 2 milhões.

Fonte: agoranoticiasbrasil.com.br

Comunicar erro
ComentĂĄrios