23/07/2024 +55 (83) 98773-3673

Internacional

Andre@zza.net

Turistas brasileiros são assaltados em passeio no Peru e andam 25 km no deserto em busca de ajuda

Por Blog do Elias Hacker 11/07/2024 às 07:18:01

Durante um passeio ao Cânion de los Perdidos, no Peru, Andressa Alexandre, de 27 anos, e Paulo Ricardo da Cruz, de 32 anos, passaram por momentos de desespero.

O grupo de turistas que os dois faziam parte foi assaltado e eles ficaram a pé, no meio do nada, em uma região sem sinal de celular. Para tentar conseguir ajuda, a única solução foi caminhar pelo deserto peruano. Ao todo, foram 25 quilômetros de caminhada.

"Você está caminhando no local que não tem nada, só areia reta, e você não tem ideia da distância que você precisa caminhar para chegar em algum lugar com civilização. É muito desesperador, faz você começar a pensar muita coisa. Era até engraçado, porque, às vezes, as pessoas começavam a alucinar, ver coisas onde não tinha. Isso dá um filme", relembra Andressa.
A situação aconteceu em maio e viralizou na última segunda-feira (8), depois que o casal, que mora em Cascavel, no oeste do Paraná, publicou nas redes sociais um vídeo contando a história.

"No deserto não tem ponto de referência, então a orientação sempre era caminhar justamente para cada vez ficar mais próximo da estrada", relembra Andressa.

O assalto e o perrengue

O casal contou que agendou o passeio com uma agência de turismo peruana e foi visitar a atração com um grupo de cerca de 24 pessoas. Ao voltar do passeio e se aproximar do local onde estavam as vans que levaram o grupo, os turistas encontraram uma situação caótica.

"Não tinha mais duas vans, só tinha uma. Tinha uma menina estirada no chão, com o pé meio ensanguentado e chorando, outra menina que estava com ela também estava chorando e os dois motoristas com cara de assustados", relembra Paulo.
O que aconteceu é que, enquanto o grupo estava no cânion, assaltantes armados foram até os veículos, amarraram os motoristas e roubaram os itens que estavam nas vans.

Paulo também contou que, uma das mulheres que estava no local, reagiu para tentar impedir que os assaltantes levassem o passaporte dela.

Conforme o paranaense, na discussão, a turista foi baleada. Em seguida, os homens fugiram com uma das vans e, durante a fuga, passaram com o carro por cima do pé dela. Segundo Paulo, eles não conseguiram ligar a segunda van do grupo, então também roubaram a bateria do veículo para não serem seguidos.

Andressa Alexandre e Paulo Ricardo da Cruz são moradores de Cascavel, no Paraná — Foto: Arquivo Pessoal

Andressa Alexandre e Paulo Ricardo da Cruz são moradores de Cascavel, no Paraná — Foto: Arquivo Pessoal

Depois da fuga dos assaltantes, e ao prestarem os primeiros socorros a turista ferida, o grupo precisou tomar uma decisão difícil: o que eles fariam?

"Começou aquela aquela saga, né? A gente tinha que decidir, porque as escolhas eram: ou nós íamos ficar ali eternamente, até algum dia aparecer uma outra agência, um morador ou alguma coisa assim, tendo risco de dormir no deserto, ou nós saímos andando procurando ajuda até conseguir", conta Andressa.

Grupo decidiu se dividir

O casal do Paraná conta que o grupo optou por se dividir: parte andou para um lado com a intenção de encontrar sinal de celular, e o outro foi para a direção oposta, com o objetivo de chegar até uma estrada.

"Quem conseguisse achar ajuda primeiro, ajudava os outros", afirma Andressa.
Segundo Paulo, naquele momento, haviam dois medos principais: os assaltantes retornarem para levar os outros itens do grupo, ou anoitecer – em desertos, a temperatura cai muito à noite e pode chegar a números negativos.

Depois de cinco horas andando, e, faltando 20 minutos para o pôr-do-sol, o grupo finalmente avistou um carro.

Inicialmente, eles pegaram pedras para se protegerem, pensando que poderiam ser os assaltantes retornando. Porém, o veículo se aproximou e os ocupantes avisaram que foram enviados para ajudá-los.

"Foi uma situação tipo: "São amigos ou são inimigos?", porque só foi aquele carro que apareceu em cinco horas. Todo mundo começou a catar pedras igual neandertal. Aí eram três velhinhos que falaram que foram avisados pelo guia e foram buscar quem estava precisando mais", relembra Paulo.
Quando voltaram para civilização, Paulo e Andressa foram à delegacia local para registrar um Boletim de Ocorrência. Eles contam que tiveram resistência das autoridades para formalizar o registro, mas que conseguiram depois de cinco horas de insistência.

"Um passeio que era para a gente ter retornado quatro horas da tarde, nós retornamos três horas da manhã", conta Andressa.

Apesar do roubo…

O casal disse que, apesar do roubo, tiveram uma boa estadia pelo Peru e recomendam a visita ao país, com precaução.

"Essa experiência não resume a viagem. Foram uns 20 dias [de viagem] e isso aconteceu em uma tarde. A gente viveu coisas muito incríveis no Peru, a gente fez amigos lá. Os peruanos são atenciosos, legais, muito prestativos, a gente se sentiu muito bem lá", reforça a mulher.

Fonte: agoranoticiasbrasil.com.br/

Comunicar erro
Comentários