30/05/2024 +55 (83) 98773-3673

Cidades

Andre@zza.net

Dupla acusada de matar e concretar corpo de mulher na PB vai à júri popular nesta quinta (16)

O julgamento será presidido pela juíza Higyna Josita Simões de Almeida, titular da Vara Única da Comarca de Pedras de Fogo

Por Blog do Elias Hacker 15/05/2024 às 19:22:48

Dupla acusada de matar e concretar corpo de mulher na PB vai à júri popular nesta quinta (16)

Pedras de Fogo, uma cidade tranquila no Litoral Sul da Paraíba, foi abalada por um crime brutal que terá seu desfecho nos tribunais nesta quinta-feira (16). Carlos Antônio da Silva, conhecido como "Caio", e Sérgio Francisco da Silva serão levados a Júri Popular pelo homicídio de Luydiana Jamelle Miranda Barreto. O julgamento será presidido pela juíza Higyna Josita Simões de Almeida, titular da Vara Única da Comarca.

A decisão de pronunciar os dois réus foi tomada pela mesma magistrada, conforme informações processuais. O crime, que chocou a comunidade local, foi cometido por Sérgio, companheiro da vítima, com a ajuda de seu irmão, Carlos. A crueldade do ato se intensifica pelo fato de que o corpo de Luydiana foi escondido dentro da própria residência, concretado na cama do casal.

De acordo com a denúncia, no dia 4 de outubro, os irmãos espancaram Luydiana, causando-lhe graves lesões por todo o corpo, especialmente na parte posterior da cabeça, o que impossibilitou qualquer chance de defesa. A morte foi causada por asfixia mecânica por estrangulamento, conforme constatado na Certidão de Óbito. O corpo da vítima foi encontrado apenas no dia 11 de outubro de 2023, oculto em uma estrutura de concreto sob a cama do casal.

A rapidez na pronúncia dos réus, apenas seis meses após suas prisões, foi destacada pela juíza Higyna Josita como um importante avanço na busca pela responsabilização dos agressores, especialmente em casos de violência doméstica contra a mulher. A magistrada também chamou atenção para a ausência de pedido prévio de medida protetiva da Lei Maria da Penha em favor da vítima, sublinhando a necessidade de melhorias nos mecanismos de proteção às vítimas de violência doméstica.

Fonte: Portal T5

Comunicar erro
Comentários